Espiritismo na Prática

Divulgando o Evangelho de Jesus

Série Obsessão VI - Tipos de Obsessão

Série Obsessão VI - Tipos de Obsessão

Autor: Jeferson Souza      Publicação: 17/06/2018 01:27      Views: 662      Comentários: 0 

Você sabe quais são as formas em que a obsessão se expressa e que tipos de obsessões nós estamos expostos?

A obsessão é uma forma de mediunidade, onde a manisfestação dessas expressões são sempre de cunho inferior, pois a obsessão significar perseguição e Espíritos superiores não perseguem ninguém.

A perseguição realizada dentro de uma obsessão é decorrente da invigilância e da imprudência da vítima, que neste caso é chamado de obsedado ou obsediado. Pois os Espíritos que se aproximam de suas vítimas durante o processo obsessivo são de vibração inferior ao obsedado.

Podemos dizer que o processo de obsessão se inicia por experimentações realizadas por Espíritos inferiores, onde observam suas vítimas por um tempo até conhecerem suas fraquezas e, então, começam o processo de aproximação espiritual mais ostensivo, até desenvolver a obsessão propriamente dita.

"Entre os escolhos que apresenta a prática do Espiritismo, cumpre se coloque na primeira linha a obsessão, isto é, o domínio que alguns Espíritos logram adquirir sobre certas pessoas. Nunca é praticada senão pelos Espíritos inferiores, que procuram dominar. Os bons Espíritos nenhum constrangimento infligem. Aconselham, combatem a influência dos maus e, se não os ouvem, retiram-se. Os maus, ao contrário, se agarram àqueles de quem podem fazer suas presas. Se chegam a dominar algum, identificam-se com o Espírito deste e o conduzem como se fora verdadeira criança - O Livro dos Médiuns, Cap. 23 - Da Obsessão, Item 237"

Na doutrina espírita, temos diversos estudos sendo realizados por médiuns e Espíritos explicando os mecanismos utilizados pelos Espíritos para a realização de uma obsessão, mas neste artigo, gostaríamos de nos ater a duas obras, a primeira é a segunda obra básica do Espiritismo: "O Livro dos Médiuns" e o segundo é chamada de "Obsessão e Desobsessão" de Suely Caldas Schubert.

No "O Livro dos Médiuns" temos o fenômeno da obsessão sendo descrita por três formas de expressão são elas:

Obsessão Simples:

Dá-se a obsessão simples, quando um Espírito malfazejo se impõe a um médium, se imiscui, a seu mau grado, nas comunicações que ele recebe, o impede de se comunicar com outros Espíritos e se apresenta em lugar dos que são evocados...

Na obsessão simples, o médium sabe muito bem que se acha presa de um Espírito mentiroso e este não se disfarça; de nenhuma forma dissimula suas más intenções e o seu propósito de contrariar. O médium reconhece sem dificuldade a felonia e, como se mantém em guarda, raramente é enganado. Este gênero de obsessão é, portanto, apenas desagradável e não tem outro inconveniente, além do de opor obstáculo às comunicações que se desejara receber de Espíritos sérios, ou dos afeiçoados...

O Livro dos Médiuns - Cap. 23, Item 238

Fascinação:

A fascinação tem consequências muito mais graves. É uma ilusão produzida pela ação direta do Espírito sobre o pensamento do médium e que, de certa maneira, lhe paralisa o raciocínio, relativamente às comunicações. O médium fascinado não acredita que o estejam enganando: o Espírito tem a arte de lhe inspirar confiança cega, que o impede de ver o embuste e de compreender o absurdo do que escreve, ainda quando esse absurdo salte aos olhos de toda gente. A ilusão pode mesmo ir até ao ponto de o fazer achar sublime a linguagem mais ridícula. Fora erro acreditar que a este gênero de obsessão só estão sujeitas as pessoas simples, ignorantes e baldas de senso. Dela não se acham isentos nem os homens de mais espírito, os mais instruídos e os mais inteligentes sob outros aspectos, o que prova que tal aberração é efeito de uma causa estranha, cuja influência eles sofrem.

Já dissemos que muito mais graves são as consequências da fascinação. Efetivamente, graças à ilusão que dela decorre, o Espírito conduz o indivíduo de quem ele chegou a apoderar-se, como faria com um cego, e pode levá-lo a aceitar as doutrinas mais estranhas, as teorias mais falsas, como se fossem a única expressão da verdade. Ainda mais, pode levá-lo a situações ridículas, comprometedoras e até perigosas.

Compreende-se facilmente toda a diferença que existe entre a obsessão simples e a fascinação; compreende-se também que os Espíritos que produzem esses dois efeitos devem diferir de caráter. Na primeira, o Espírito que se agarra à pessoa não passa de um importuno pela sua tenacidade e de quem aquela se impacienta por desembaraçar-se. Na segunda, a coisa é muito diversa. Para chegar a tais fins, preciso é que o Espírito seja destro, ardiloso e profundamente hipócrita, porquanto não pode operar a mudança e fazer-se acolhido, senão por meio da máscara que toma e de um falso aspecto de virtude. Os grandes termos — caridade, humildade, amor de Deus — lhe servem como que de carta de crédito, porém, através de tudo isso, deixa passar sinais de inferioridade, que só o fascinado é incapaz de perceber. Por isso mesmo, o que o fascinador mais teme são as pessoas que vêem claro. Daí o consistir a sua tática, quase sempre, em inspirar ao seu intérprete o afastamento de quem quer que lhe possa abrir os olhos. Por esse meio, evitando toda contradição, fica certo de ter razão sempre.

O Livro dos Médiuns - Cap. 23, Item 239

Subjugação:

A subjugação é uma constrição que paralisa a vontade daquele que a sofre e o faz agir a seu mau grado. Numa palavra: o paciente fica sob um verdadeiro jugo.

A subjugação pode ser moral ou corporal. No primeiro caso, o subjugado é constrangido a tomar resoluções muitas vezes absurdas e comprometedoras que, por uma espécie de ilusão, ele julga sensatas: é uma como fascinação. No segundo caso, o Espírito atua sobre os órgãos materiais e provoca movimentos involuntários...

Dava-se outrora o nome de possessão ao império exercido por maus Espíritos, quando a influência deles ia até à aberração das faculdades da vítima. A possessão seria, para nós, sinônimo da subjugação...

O Livro dos Médiuns - Cap. 23, Item 240

Na obra de Suely Caldas Schubert "Obsessão e Desobsessão" temos as formas como a obsessão se expressa:

Encarnado para Encarnado: Quando a obsessão é decorrente entre encarnados, e isso é muito mais comum do que se pensa, um exemplo disso é quando acharmos que o outro nos pertence ou que é o nosso objeto de manipulação apresentando através dos exageros do ciúmes, da raiva, do ódio, da posse, etc...

Deseencarnado para Desencarnado: Ocorre entre desencarnados, e é muito comum em caso de perseguições espirituais de algozes que lhe fizeram mal enquanto ambos estavam encarnados e que um consume paixões inferiores em relação ao outro.

De Encarnado para Desencarnado: Acontece quando um encarnado assedia um Espírito desencarnado, como pode ocorrer quando perdemos um ente querido, quando não o deixamos ir, e com pensamentos e sentimentos de baixa vibração prejudicamos a sua passagem e evolução. Ocorre também quando vemos um ente querido que achamos que é um santo e o solicitamos a sua presença constantemente.

De Desencarnado para Encarnado: Ocorre quando um desencarnado busca influênciar um encarnado. Um exemplo disso, são as obsessões simples, subjulgações, etc... É natural que muitos espíritas só conheçam esse tipo de obsessão, mas isso ocorre quando somos invigilantes para nos deixar envolver pelos próprios vícios ou quando fazemos mal a alguma pessoa que agora se encontra no plano espiritual com raiva de nós.

Da Obsessão Recíproca: É quando ocorre a obsessão recíproca, ou seja, da vítima que também o obsessor, isso pode ser em qualquer um dos tipos de obsessão citado acima. 

Da Auto-Obsessão: É a própria obsessão, quando somos obsessores de snós mesmos, sem qualquer tipo de influência espiritual ou de encarnados, é muito mais comum do que se pensa, pois muitas vezes logrado o status de obsedados por Espíritos, mas que na realidade, somos nós mesmos que nos colocamos em situações de vibração inferior e nos auto-obsessadamos.

Leia o capítulo 5 da obra "Obsessão e Desobsessão" de Suely Caldas Schubert

Desta forma podemos perceber que estes tipos de obsessão se encaixam em todas as formas descritas no "O Livro dos Médiuns", já comentados nos parágrafos anteriores.

Então, pudemos ver como o tema "Obsessão" é um estudo complexo e bem amplo, que nos possibilita o entendimento das ocorrências e influênciações que nos fazem contra nós e que nós também fazemos em relação a quem amamos ou odiamos.

Leia também o nosso artigo: Série Obsessão VII - Características da Obsessão 

Recomendamos a leitura destas obras mencionadas neste estudo "O Livro dos Médiuns" de Allan Kardec e "Obsessão e Desobsessão" de Suely Caldas Schubert, bem como o estudo das obras do Espírito Manoel Philomeno de Miranda e Divaldo Franco.

 Assista também estes vídeos

"Obsessão Simples" Fascinação" e Subjugação" / Prof°Raul Teixeira

 

Anete Guimarães: Obsessão - CELV Marília

Veja Também:

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para Série Obsessão VI - Tipos de Obsessão

Enviando Comentário Fechar :/