Espiritismo na Prática

Divulgando o Evangelho de Jesus

Responsabilidade do Médium

Responsabilidade do Médium

Autor: Jeferson Souza      Publicação: 21/11/2017 16:36      Views: 1204      Comentários: 0 

O que os Espíritos nos falam sobre a responsabilidade e a conduta do médium, e o que fazer para melhorar o nosso serviço do Cristo?

Todos nós somos médiuns, uns com a mediunidade mais aflorada do que outros, porém, a mediunidade é um trabalho constante que o médium precisa realizar para cooperar como fonte passiva do circuito da comunicação.

A mediunidade deve ser um trabalho a ser realizado com Jesus, portanto, exercitar a mediunidade como um exemplo de caridade e responsabilidade, sem interesses materiais envolvidos. Todo ser humano é um trabalhador do Cristo, mas ao médium, cabe responsabilidades maiores, pois são fonte de comunicação dos dois lados da vida.

Temos na Obra "Mecanismos da Mediunidade"  de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, pelo Espírito André Luiz, a sintetização dos mecanismos que envolvem os processos de comunicação mediúnica, que colabora e complementa com detalhes a obra de Allan Kardec "O Livro dos Médiuns".

Foram psicografados e estudadas muitas obras dentro da doutrina espírita, mas neste presente artigo gostaria de estudar um parágrafo que acredito ser muito importante que está na obra "Mecanismos da Mediunidade" no capítulo chamado de Analogias de Circuitos, na página 55.

"Anotamos simplesmente as necessidades da sintonia do trabalho das Inteligências associadas para fins enobrecedores, porque, em verdade, os médiuns trazidos ao serviço de reflexão do plano superior, quer nas obras de caridade e esclarecimento, quer nas de instrução e consolo, precisarão abolir tudo o que lhes constitua preocupações extras, tanto no que se refira à perda de tempo quanto no que se reporte a interesses subalternos da experiência vulgar, sustentando-se, por esforço próprio e não por exigência dos Espíritos benevolentes e sábios, em clima de responsabilidade, alegremente aceita, e de trabalho voluntário, na preservação e enriquecimento dos agentes condutores da sua vida mental, no sentido de valorizar a própria cooperação, com fé no bem e segura disposição ao sacrifício, no serviço a efetuar-se" - Analogias de Circuitos  : Mecanismos da Mediunidade, pag. 55

Inicia André Luiz comentando que a sintonia do trabalho mediúnico exigem necessidades que devem ser praticadas tanto pelo Espírito que atua ou que comunica quanto por parte do médium. E quais seriam essas necessidades?

Uma das necessidades bases para que o trabalho mediúnico seja realizado é a capacidade de ambos agentes (Médium e o Espírito) sintonizarem-se fechando um circuito de pensamentos e aceitação, que se operam por afinidade.

“Estabelecido  um fio condutor de um para o outro que, em nosso problema, representa o pensamento de aceitação e de adesão do médium, a corrente mental desse ou daquele teor se improvisa em regime de ação e reação, atingindo-se o necessário equilíbrio entre ambos, anulando-se, desde então, a diferença existente(de elevação espiritual e moral), pela integração das forças conjuntas em clima de afinidade.” - Corrente Elétrica e Corrente Mental: Mecanismos da Mediunidade, pag. 45

Esses laços se fortalecem e se afinizam com maior facilidade quando ambas as partes procuram o trabalho para os fins nobres.

Neste trecho anteriormente descrito, pertencente ao capítulo Analogias de Circuitos  : Mecanismos da Mediunidade, pag. 55: " os médiuns trazidos ao serviço de reflexão do plano superior, quer nas obras de caridade e esclarecimento, quer nas de instrução e consolo, precisarão abolir tudo o que lhes constitua preocupações extras, tanto no que se refira à perda de tempo quanto no que se reporte a interesses subalternos da experiência vulga, sustentando-se, por esforço próprio e não por exigência dos Espíritos benevolentes e sábios..."

Entenderemos que o médium tem um papel fundamental a cumprir, para que o trabalho mediúnico seja realizado de forma mais "limpa" e de maior elevação espiritual e moral da comunicação, para que isso ocorra, será necessária renúncia de algumas práticas que sejam perniciosas e fúteis.

Mas qual é a renúncias que são necessárias? Simplesmente aquelas de caráter moral e material, onde visamos lograr os "benefícios" dos nossos vícios, pois é verdade que nós não desejamos deixar os nossos vícios mais perniciosos e, que prejudicam a mediunidade, pois é gostoso e prazeroso para nós, mas que criam barreiras na sintonia e afinização do médium com o Espírito que se comunica.

Os vícios químicos, a raiva, o ódio, o rancor, o melindre, e todas as imperfeições morais que prejudicam o trabalho médiunico, tornando a comunicação imperfeita, podendo haver a perda da ligação do médium e do Espírito.

Porém, os Espíritos sabem que não podemos mudar da água para o vinho em uma noite, e conhecem os nossos esforços para superar esses vícios, e por isso, trabalham conosco, mas sabem também daqueles vícios químicos e morais que já poderíamos ter eliminados de nosso Ser e que por prazer ainda cultivamos, e estes são os mais prejudiciais para o médium e que comprometem o trabalho.

É necessário, que o médium despoje de si, todos esses vícios já superados pelo seu esforço e que deles se desligue, para que a ferramenta (o médium) do Cristo possa ser melhor utilizada pelos Espíritos.

Outro esforço que todo médium deve fazer, é educar o seu pensamento, trocando pensamentos ruins por bons, eliminar os pensamentos de erros do passado e da culpa, perdoando-se, vivendo o presente para construir o seu futuro.

Pois os Espíritos buscam valorizar no médiuns a educação moral e a disciplina, para que haja fácil assimilação de seus pensamentos e de suas ideias, e quanto melhor soubermos utilizar a disciplina sincera e séria, educando os pensamentos, ações e condutas, maior qualidade ofereceremos a comunicação.

"em clima de responsabilidade, alegremente aceita, e de trabalho voluntário, na preservação e enriquecimento dos agentes condutores da sua vida mental, no sentido de valorizar a própria cooperação, com fé no bem e segura disposição ao sacrifício, no serviço a efetuar-se" Analogias de Circuitos  : Mecanismos da Mediunidade, pag. 55

Todo médium é responsável pela comunicação, por cooperar com a qualidade do trabalho e da comunicação, por servir a Jesus, e amar o seu semelhante. É um Dever do médium se esforçar e sacrificar-se para o bom desempenho do serviço mediúnico. Os Espíritos fazem sua parte, nós, seres humanos, precisamos fazer a nossa parte, pois se não fizermos, não estaremos servindo ao Cristo, mas a si próprio, e com responsabilidade e conhecimento de causa, que nos torna duas vezes responsáveis pelos esforços que deixamos de realizar para a cooperar.

Por fim, todos somos médiuns, e esta responsabilidade é de cada um, e cabe a todos nós cultivar os princípios cristãos onde quer que estejamos, servindo a mediunidade de elevação no centro espírita e a colaboração moral, ética, familiar, profissional e do lazer com responsabilidade, seriedade, sinceridade, amor e equilíbrio.

Dessa forma, estaremos entendendo o trabalho com Jesus, pois o aperfeiçoamento da mediunidade em nós, não está somente dentro do centro espírita, mas onde estivermos e com quem interagirmos.

Estude as obras que recomendamos e todas as outras que se relacionam a mediunidade e que aqui não foram relacionadas:

"O Livro dos Médiuns" - Allan Kardec

"Nos Domínios da Mediunidade" - Francisco Cândido Xavier - Espírito André Luiz

"Mecanismos da Mediunidade" - Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira - Espírito André Luiz

"Na Seara do Bem" - Luiz Antônio Ferraz - Espírito Antônio Carlos Tonini

Aprecie também o nosso artigo: Mediunidade Espírita

Muita paz!

Jeferson Souza

Veja Também:

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para Responsabilidade do Médium

Enviando Comentário Fechar :/