Espiritismo na Prática

Divulgando o Evangelho de Jesus

O Sensualismo Segundo a Visão dos Espíritos

O Sensualismo Segundo a Visão dos Espíritos

Autor: Jeferson Souza      Publicação: 03/10/2016 19:14      Views: 1721      Comentários: 0 

Neste artigo iremos estudar superficialmente o tema sensualismo, sob a visão e orientação espiritual de nossos Amigos Espirituais.

 Antes de iniciarmos a nossa explanação sobre o tema que nos propusemos hoje, será necessário fazermos um breve esclarecimento sobre a nossa colocação neste artigo.

Gostaríamos de informar aos amigos leitores espíritas que não temos qualquer pretensão em definirmos o que é certo ou errado, pois essas definições são pontos de vistas segundo o conhecimento de cada um.

Não vamos falar se certas atitudes ou condutas são corretas ou não, pois não vamos nos posicionar sobre isso, é uma questão de consciência de cada um. Vamos apenas comentar o que os Espíritos amigos nos orientaram sobre o assunto, até hoje.

É certo que todos nós temos a nossa liberdade para praticar uma ação diante da sociedade, e somos responsáveis por isso, segundo as leis dos dois mundos. Muitas vezes, nossas ações são para nós uma forma de liberdade, de ser dono de si mesmo.

Atualmente, a sensualidade adentra as portas de nossas casas através da internet, mídias tradicionais ou em lugares públicos, no entanto, o nosso caráter é uma questão pessoal, e cabe ao cristão espírita buscar o autocontrole e o equilíbrio de suas fraquezas morais, não procurando esse tipo de conteúdo impresso ou visual e educar seus pensamentos.

Quando pensamos emanamos para o ambiente, fluídos codificados com nossas particularidades, com nossas intenções, e isso ocorre também quando estamos com o pensamento focado em algum familiar ou amigo muito querido, e isso cria uma "linha invisível" entre duas criaturas e, essas quando vibram na mesma sintonia, respondem a esta comunicação.

Diante da sensualidade, se não tivermos equilíbrio e lucidez necessária, o nosso pensamento sairá da razão consciencial entrando no campo das imaginações e perturbações criativas morais.

Com isto, nos entregamos a energias criadas e processadas por nós mesmos que vamos emitir para o ambiente, para o nosso campo energético e também é dirigida para aquela pessoa que está praticando o sensualismo.

A sensualidade existe, porque há quem o alimenta, mas o problema, na verdade não está somente em quem o pratica, mas principalmente em quem o alimenta, portanto, se estamos na rua e ao visualizarmos alguém com uma roupa curta e/ou ousada, logo iremos culpar o outro por estar utilizando essa roupa, mas o autocontrole e o equilíbrio iniciam-se em nós mesmos.

Gostaríamos de reforçar que os nossos olhos vêem aquilo que queremos ver, que nossa boca fala daquilo que queremos falar, temos que fazer escolhas o tempo todo, e por elas seremos responsáveis, não devemos delegar responsabilidades a terceiros, nós semeamos, vamos colher.

Diante de uma cena sensualista, nossas responsabilidades aumentam se somos espíritas, pois detemos o conhecimento básico sobre de como funciona a lei dos fluídos, então, entendemos que estamos nos ligando a companhias espirituais de ordem inferior, bem como estamos sendo responsáveis por lançar dardos energéticos de baixa vibração em direção da pessoa sensualista.

Pois, às vezes, embora hajam exceções, o sensualista que busca para si olhares maliciosos, por vez lhe falta a autoestima ou por ser portador de distúrbios emocionais ou psicológicos, eles já está presa as teias de Espíritos obsessores que procuram nela o alimento dos quais necessitam, e o encarnado é a fonte intermediária para esse banquete.

Não exageramos quando afirmamos que o encarnado ao adentrar nessas teias tendenciosas dos vícios morais dos quais possuí, lançando ao sensualista a sua energia inferior, faz com que a obsedada, tenha menos facilidade para libertar-se das amarrações inferiores.

Algumas vezes, embora seja mais comum do que imaginamos, aquele que alimenta esse tipo de situação, com gracejos maliciosos, ou com toques sensuais, buscando mentalmente a consumação sexual, se torna passivos de Espíritos que o alimentam a recorrência dessas tendências.

Não discriminamos mulheres ou homens que queiram mostrar-se ao outro, e nem aqueles que visão cultuar a beleza humana ou que buscam neste quesito tomar para si sexualmente estas criaturas, mas nos precavemos apenas, em levar a informação dos quais os Espíritos amigos nos orientam, para que sejamos mais vigilantes e mais prevenidos para que não sejamos nós os aliciadores dos defeitos morais dos outros.

O plano espiritual está buscando conscientizar os espíritas para que aprendamos a ter liberdade buscando a elevação moral e espiritual, mas não nos aconselha ser libertinos e carrascos fluídicos daqueles que não possuem o conhecimento que o Espiritismo já nos proporciona.

Reforçamos que se olhamos com malícia as curvas do corpo de outras pessoas, não importa se seja numa revista ou na rua, nós somos também responsáveis por manter aquela pessoa na ignorância, por que se um pai e um filho podem telefonarem-se quase que imediatamente ao pensarem sublimemente um no outro, é correto afirmarmos que existe a ligação inferior entre nós e o sensualista.

Reflitamos com mais atenção, quando nós somos os sensualistas, às vezes, e é verdade, que quando colocamos uma roupa "mais a vontade" sem a intenção de buscar olhares maliciosos, com isso nos protegemos até certo ponto dessas energias investidoras, mas se buscamos os olhares maliciosos de alienados no sensualismo, precisamos urgentemente, mudar a nossa conduta, para que não sejamos ferramentas facilmente manipuláveis das forças negativas que estão presentes em nosso mundo.

Espero que tenham gostado deste artigo, e vamos refletir.

Muita paz!

Veja Também:

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para O Sensualismo Segundo a Visão dos Espíritos

Enviando Comentário Fechar :/