Espiritismo na Prática

Divulgando o Evangelho de Jesus

Mediunidade Espírita

Mediunidade Espírita

Autor: Jeferson Souza      Publicação: 24/10/2017 19:01      Views: 2655      Comentários: 0 

Se você está curioso para saber o que é mediunidade e qual é a sua finalidade dentro da doutrina espírita? Então, acompanhe a nossa matéria de hoje.

Primeiramente, gostaria de dizer que a mediunidade não é uma prática exclusiva de quem é espírita, portanto, pessoas de quaisquer religiões poderão desenvolver a mediunidade que lhes são nata no Ser. Porém, iremos abordar nesta matéria a mediunidade espírita, ou seja, aquela que deve ser realizado por espíritas.

Conforme a obra de Allan Kardec conhecida por “O Livro dos Médiuns”, no qual nos instrui no capítulo 14, onde ele realiza uma belíssima abordagem em relação a mediunidade nos homens, diz no início do presente capítulo no item 159:

Toda pessoa que sente a influência dos Espíritos, em qualquer grau de intensidade, é médium. Essa faculdade é inerente ao homem. Por isso mesmo não constitui privilégio e são raras as pessoas que não a possuem pelo menos em estado rudimentar. Pode-se dizer, pois, que todos são mais ou menos médiuns. ”

Partindo deste ensinamento, podemos compreender que a mediunidade é o exercício da influência dos Espíritos sobre outros, pois a mediunidade não é executada somente entre desencarnados para encarnados, mas pode também abranger vice e versa, entre desencarnados e entre encarnados, veremos isso numa próxima abordagem. Por ora, iremos nos deter neste artigo da influência entre os Espíritos desencarnados para com os encarnados.

Desta influencia que ocorre por parte dos desencarnados, ela é exercida conforme o grau de intensidade que o encarnado possui em relação a sua comunicação e interação com os Espíritos, porém na medida que aflora a sua mediunidade, mais intenso será a influência dos Espíritos sobre ela e melhor compreenderá a mediunidade.

Kardec ainda nos revela que todo homem é possuidor da faculdade mediúnica, uns mais aflorados e outros menos, e que não há nenhum privilégio em ser médium, o que torna o médium responsável pelo exercício que fizer de sua mediunidade para Bem ou para mal.

No próximo parágrafo do item 159 da obra de Kardec, nos ensina:

Usualmente, porém, essa qualificação se aplica somente aos que possuem uma faculdade mediúnica bem caracterizada,que se traduz por efeitos patentes de certa intensidade, o que depende de uma organização mais ou menos sensitiva.

Neste sentido, podemos compreender que normalmente, no meio espírita é comum dar-se o termo: médium, àquele que trabalha na casa espírita, dedicando ao trabalho da casa e educando a sua sensibilidade de comunicação e interação com o mundo espiritual. Porém, como já falamos anteriormente, todas as pessoas são médiuns.

A mediunidade espírita é diferente da praticada em outras religiões, nós espíritas, praticamos a caridade como um dos princípios base do trabalho mediúnico, além do amor ao próximo, do esclarecimento e gratuidade.

O médium espírita deve seguir os ensinamentos de Jesus, entre eles destacamos o ensinamento: “Daí de graça, o que de graça receber – Mateus 10:8”, portanto, no Espiritismo a mediunidade é gratuita.

No parágrafo seguinte ainda do item 159, Kardec nos revela a diversidade das faculdades mediúnicas:

Deve-se notar, ainda, que essa faculdade não se revela em todos da mesma maneira. Os médiuns têm, geralmente, aptidão especial para esta ou aquela ordem de fenômenos, o que os divide em tantas variedades quantas são as espécies de manifestações. As principais são: médiuns de efeitos físicos, médiuns sensitivos ou impressionáveis, auditivos, falantes, videntes, sonâmbulos, curadores, peneumatágrafos, escreventes ou psicógrafos

Não entraremos no mérito, pelo menos nesta abordagem, o estudo das diversas mediunidades existentes dentro do Espiritismo. É necessário focar a nossa atenção na compreensão de que as pessoas trazem em si, toda a aptidão para o exercício de uma ou mais “tipos” de mediunidades e que pode, desde que haja merecimento, trabalho sério e ser possuidor de conduta espírita reta, despertar outras faculdades que nele adormeciam.

Pois todo o ser humano traz consigo a continuidade do trabalho de aprendizado que construiu em vidas passadas, e a mediunidade é um dos frutos do nosso aprendizado diante das diversas reencarnações que tivemos, isso não quer dizer que, o encarnado que não possa vir com a sua mediunidade adormecida, que poderá  despertar posteriormente com o muito estudo, dedicação e conduta reta dentro e fora da casa espírita.

A mediunidade não deve ser um fenômeno para o exercício do proselitismo ou de exclusivismo, mas uma prática séria que segue os preceitos de Jesus, da simplicidade em suas práticas e com base doutrinária em Allan Kardec.

A questão principal é que a mediunidade deve ser um exercício responsável, pois o médium deve utilizá-la para o Bem, trabalhando para Jesus e não para sua a exaltação da vaidade. A mediunidade não o isenta de padecimentos, sofrimentos e dores, pois o médium não é um Ser especial, a parte da evolução, mas é um Espírito que aceitou a missão de ser médium para aprender doando-se, resgatar débitos do passado amando os outros, e evoluir para crescer como Espírito Imortal.

Para concluirmos esta matéria, é necessário convidar a todos que queiram estudar a mediunidade, procurem uma casa espírita séria que trabalhe diante dos ensinamentos de Jesus e também que sigam as bases e instruções de Allan Kardec.

Lembre-se, não é por que você não tenha uma mediunidade aflorada, que você não seja médium, pelo contrário você é médium sim, e é responsável por tudo aquilo que fizer com a sua mediunidade, seja através de um pensamento, de uma intuição, de uma inspiração, de uma prece que você faça por alguém, pois são algumas das formas de exercermos a mediunidade em favor de alguém ou para exercer algum beneficio moral ou intelectual que servirá a você ou a outrem.

Indicamos a leitura do nosso artigo: Responsabilidade do Médium


Fonte da Imagem: Projeto Imagem

Divaldo Pereira Franco - Tema Mediunidade - Programa Transição

 

Divaldo Franco - A Mediunidade com Jesus

 

Mediunidade Iniciante - Dr. Alberto Almeida

Veja Também:

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para Mediunidade Espírita

Enviando Comentário Fechar :/